Conteúdos

Carreira do advogado: tudo que você precisa saber

Advogada em início de carreira

Muito se fala e já se falou a respeito da advocacia, sendo um tema um tanto controverso na nossa sociedade. Há quem defenda os advogados com unhas e dentes e quem menospreze a classe até precisar dela.

Mas se tem uma coisa que todos precisam concordar é que a profissão ganhou enorme popularidade nos últimos anos, foram vários cursos sendo abertos nas faculdades e centro universitários, inflando cada vez mais essa área de atuação.

Com isso, hoje vamos falar um pouco mais sobre a carreira do advogado e tirar algumas dúvidas que sempre aparecem a respeito dessa temática, não deixe de conferir.

Como é a formação acadêmica de um advogado

Para se tornar advogado o primeiro passo é ter concluído o curso de direito, com duração de 5 anos, tendo a opção de escolher uma faculdade que ofereça o curso na modalidade integral, o que não é obrigatório.

Assim como tantos outros cursos acadêmicos, o curso de direito possui matérias de ordem prática e teórica, iniciando os estudos por uma base filosófica, sociológica e histórica. Com uma mescla de matérias propedêuticas e dogmáticas, a formação acadêmica é completa e possui matérias para todos os gostos.

Como o advogado precisa atuar em várias frentes, é preciso ter em mente que a formação de um advogado é generalista, tendo um panorama geral de muitas áreas do direito de forma completa, mas sem aprofundamentos pertinentes.

O que costuma acontecer, ainda na faculdade, é o estudante ter maior afinidade com uma determinada área e buscar se aprofundar por conta própria, seja através de um estágio, grupo de pesquisa, etc.

Após a conclusão do curso, é possível buscar cursos de pós graduação para uma melhor especialização nas áreas de interesse.

Melhores faculdades

Por certo que aquele estudante que pretende cursar direito estará de olho no melhor curso, nas melhores faculdades, o que é totalmente compreensível. Mas é preciso estar atento a algumas questões importantes.

Embora na maioria das faculdades a grade curricular seja muito parecida – considerando as matérias obrigatórias determinados pelo MEC – Ministério da Educação – algumas instituições tem um enfoque diferenciado, apostando as fichas em grupos de pesquisa e iniciação científica. Esse tipo de formação pode ser uma ótima opção para aqueles que já sabem que caminho seguir, como o da pesquisa, que já visam ingressar em um mestrado e dar aulas, por exemplo.

Outras instituições buscam incentivar os estudantes na parte mais prática, voltada para a advocacia, ou mais dogmática, com foco em concursos públicos nas carreiras jurídicas, tais como magistratura, defensoria pública e carreiras do Ministério Público.

Segundo o RUF – Ranking Universitário Folha, nas 5 primeiras posições nós encontramos a USP – Universidade de São Paulo, seguida pela Universidade Federal de Minas Gerais, a Escola de Direito de São Paulo (FGV – SP), a Universidade de Brasília e a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Essa avaliações acabam por levar em consideração o desempenho dos estudantes no exame da Ordem dos Advogados do Brasil, no ENADE, no incentivo e avanço na área de pesquisa científica, bem como outros pontos relevantes de avaliação.

Na busca pela faculdade ideal, é aconselhável buscar informações a respeito da instituição, sua regularização junto ao MEC, se possui selos da OAB, o desempenho nas provas do ENADE, o oferecimento de grupos de pesquisa, etc.

O que é OAB?

Essa é uma dúvida comum de quem se interessa pela área jurídica, afinal de contas, toda vez que se fala em advogado é inevitável a associação a essa instituição.

A OAB – Ordem dos Advogados do Brasil é o órgão de classe que regulamenta a profissão do advogado, responsável pela representação desses profissionais, e também pela elaboração e aplicação do exame da ordem. É composto por um Conselho Federal, Conselhos Seccionais e Subseções.

O bacharel de direito que não se submeter e ser aprovado no Exame da Ordem não pode exercer a advocacia, sendo esse o requisito essencial para o exercício da profissão. O exame é composto por duas provas, sendo a primeira uma prova de múltipla-escolha com 80 questões, onde é preciso acertar pelos menos 50% das questões para ir para a segunda.

A prova seguinte é a prático profissional, composta por 4 questões dissertativas e uma peça prática, onde o bacharel precisa de uma pontuação igual ou superior a 6, de um total de 10.

Com a aprovação em ambas as fases, o bacharel poderá realizar o juramento perante a OAB e obter seu número e carteirinha da ordem, estando apto para exercer a profissão. Lembrando ainda que esses profissionais precisam arcar com valores de mensalidade da ordem, que variam de estado para estado, podendo ultrapassar a marca de mil reais em alguns estados.

O que se espera de um advogado

Os advogados sempre foram vistos pela sociedade como profissionais de sucesso e muito sérios, uma visão um tanto quanto limitada da profissão.

No entanto, alguns aspectos do senso comum devem ser levados a sério, com o fim de garantir uma maior confiança nos profissionais. O primeiro ponto a ser mencionado a respeito das expectativas da profissão diz respeito a seriedade do trabalho.

Por serem as pessoas responsáveis pela atuação em juízo, defendendo os interesses dos seus clientes, é preciso que o profissional aja com responsabilidade e seriedade, com o fim de não comprometer os interesses de terceiros.

Além do mais, é preciso considerar que nessa relação cliente-advogado é essencial uma relação de confiança, o que exige descrição da parte do profissional. Muitas questões tratadas em juízo acabam sendo de cunho íntimo e pessoal, o que muitas vezes deixa o cliente com uma sensação de desconforto por abrir sua intimidade. Um profissional empático e discreto fará toda diferença nessa etapa.

Ainda, como não há certezas absolutas quando falamos na luta de direitos, espera-se do advogado uma transparência da situação, com um diálogo aberto com seus clientes, explanando a respeito das possibilidades e perigos da estratégia jurídica a ser adotada. Sabendo do cenário de riscos, ficará mais fácil do seu cliente escolher a direção a seguir.

Áreas de atuação e carreira no ramo

Como já destacado anteriormente, há uma infinidade de ramos para o advogado atuar, levando em consideração que a própria faculdade oferece uma grande variedade de matérias e áreas de atuação.

Ainda na faculdade é possível que o bacharel identifique suas áreas de interesse e comece seu processo de especialização. Com a finalização da graduação, é possível buscar outros meios de especialização.

Entre as áreas mais procuradas e mais conhecidas nós temos:

Direito Civil – é a área jurídica hoje com maior demanda no mercado, tendo em vista que engloba uma série de “sub-áreas”. Nesse cenário podemos incluir disputas por bens particulares, indenizações por dano moral, por dano material, relação entre credores e devedores, posse e propriedade de imóveis, entre uma série de outras questões que englobam áreas menores do direito, mas com estreita ligação com a área principal.

Direito Penal – umas das áreas de maior relevância no direito brasileiro, visto que há necessidade de atuar com um bem muito precioso ao cidadão, a liberdade de locomoção. É preciso que o profissional tenha pleno domínio tanto do Código Penal, quanto do Código de Processo Penal, tendo em vista que essa área do direito possui um processo próprio e distinto.

Direito Previdenciário – a área do direito focada nos benefícios previdenciários dos segurados do INSS ganhou destaque no último ano. Isso porque a Reforma da Previdência entrou em vigor em novembro de 2019, exigindo uma rápida atualização desses profissionais, com o fim de garantir os direitos dos segurados frente a nova legislação.  

– Direito do Trabalho – a reforma trabalhista ocorrida em 2017 ainda tem rendido frutos, deixando o direito do trabalho sempre em alta. Esse ramo do direito visa garantir os direitos trabalhistas dos profissionais do mercado, bem como gerir as relações de trabalho entre empregador e empregado.

Direito de família – um dos ramos que sempre tem demanda, pela própria natureza das relações familiares. O direito de família envolve questões muito sensíveis aos seres humanos: as relações afetivas. Os profissionais que atuam nessa área são também chamados de artesãos, tendo em vista que a prestação de serviços costuma ser muito personalizada, de acordo com os arranjos familiares.

Direito Empresarial – inserido muitas vezes dentro do direito civil, como uma subárea, o direito empresarial engloba todas a questões atinentes a constituição e funcionamento das empresas. Exige do profissional um posicionamento mais de empresário, com linguagem facilitada e bom relacionamento com os clientes.

Direito do Consumidor – envolve questões relacionadas as relações de consumo dos clientes, gerindo conflitos entre fornecedor e consumidor de produtos e serviços.

Direito Tributário – as reclamações a respeito da alta carga tributária no Brasil são constantes, tanto daqueles que são leigos no tema, quanto dos que se ocupam do assunto. Com isso, os profissionais que atuam nesse ramo precisam estar sempre atentos as novidades jurídicas e as demandas dos seus clientes, pois o tema costuma demandar estudo e atualização constante. Apesar da dificuldade do tema, a área de direito tributária é muito promissora.

Direito administrativo – se ocupando de temas como licitações, parcerias entre o setor público e privado, gestão e contratação dos órgãos públicos, entre outros tantos temas, o direito administrativo tem uma atuação muito ampla.

Por certo que há outros ramos em que o profissional pode atuar, visto que com a transformação da sociedade novos interesses vão surgindo, dando espaço pela luta de novos direitos.

Quais as áreas com maior previsão de demanda após 2021

O cenário jurídico vem passando por mudanças constantes, tendo em vista que essa era tecnológica passou a exigir cada vez mais das pessoas, expondo também problemas que antes era pequenos e agora assumiram proporções inesperadas, como o direito a privacidade, por exemplo.

Separamos algumas áreas que estão ganhando destaque no cenário jurídico e exigindo cada vez mais profissionais capacitados. São elas:

Direito digital – considerando que estamos na era do internet, não acaba sendo uma surpresa que uma área como o direito digital esteja em constante ascensão e conquistando seu espaço na legislação e no mercado. Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados, essa área ganhou ainda mais destaque, exigindo a atuação de profissionais ainda mais qualificados. O profissional será responsável por atuar em questões relacionadas a internet, como e-commerce, relações bancárias do meio digital, a coleta e administração de dados dos clientes, entre tantas outras.

Direito Ambiental – área sempre em alta, com os recentes episódios de incêndio na Amazônia e no Pantanal é mais fácil de analisar a importância desse ramo do direito. A atuação dos profissionais com especialização em direito ambiental pode ocorrer em todos os setores, mas tem uma alta demanda nas empresas do terceiro setor. É preciso estar atento a legislação ambiental para providenciar licenças ambientais, promover o equilíbrio entre os interesses ecológicos e econômicos com o foco sempre no desenvolvimento sustentável.

Direito Desportivo – o recente caso da jogadora de vôlei de praia Carol Solberg colocou a área do direito desportivo em foco. Com a manifestação política da atleta, uma série de questões foram levantadas, tanto a respeito do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, como sobre a liberdade de expressão dos atletas brasileiros. Com isso, é evidente que o profissional capacitado para atuar nesse ramo terá certa notoriedade nos próximos anos, como já vem tendo.

Fashion Law – que a indústria da moda tem um faturamento milionário todos nós já sabemos, mas o que muitos não sabem é que esse setor precisa de muito amparo jurídico. O fashion law pode ser encontrado dentro da área do direito da propriedade intelectual, onde há constante discussão a respeito de marcas, patentes, direitos autorais, propriedade industrial, entre tantas outras demandas. Com o crescimento e a notoriedade das marcas de luxo, o fashion law foi ganhando destaque e pode ser a grande promessa dos próximos anos.

Direito para Startups – os últimos anos foram tomados por uma avalanche de startups, algumas vingaram e outras tantas acabaram morrendo com o sonho de sucesso. Mas a verdade é que o mercado está super aquecido para as startups, demandando profissionais que entendam de questões relacionadas a constituição de empresas de tecnologia e legislação pertinente. A verdade é que não há uma área exclusiva para a discussão do tema, usa-se um pouco de tudo que está por aí, com um enfoque maior na área do direito empresarial, direito tributário e uma visão geral de direito do trabalho.

Como a pandemia afetou na vida do advogado

A pandemia de COVID-19 veio para transformar a forma como nos relacionamos, como consumimos e também como trabalhamos. O home office que passou a ser a realidade de muitos profissionais, não é uma novidade para os advogados. Isso porque a profissão exige uma certa capacidade de adaptação desses profissionais, que já estão acostumados a trabalhar nos mais diferentes locais, seja fazendo um peticionamento diretamente do tribunal ou ligando/mandando e-mail e resolvendo problemas a distância com os órgãos do poder judiciário.

No entanto, com a necessidade de distanciamento social, isso acabou se intensificando, como é o caso da suspensão das audiências físicas, transportadas para o meio digital, com o fim de atender as necessidades das partes e manter as medidas de segurança.

Além disso, a relação com os clientes também foi afetada, tendo em vista que a reunião olho no olho foi alterada por troca de mensagens, e-mails e conversas de vídeo. Esse detalhe aumentou a busca de advogados pelo Marketing Jurídico, como um meio alternativo de buscar clientes, principalmente na internet.

Quer saber mais sobre Marketing Jurídico? Inscreva-se no curso gratuito da 3MIND que traz os conceitos básicos dessa área.

Esse cenário é uma novidade para muitos profissionais, mas outros tantos já estavam acostumados com a modernização dos serviços de advocacia, como aqueles que trabalhavam com escritórios digitais.

Salário das diferentes áreas (recém formado e experiente)

Falar de salários no ramo da advocacia é um verdadeiro desafio, tendo em vista que com um número cada vez maior de profissionais, a profissão foi se precarizando e deixando muitos profissionais em uma situação difícil.

O piso salarial da profissão depende de cada estado, sendo que alguns adotam o piso legal e outros apenas o piso ético. Independente disso, é possível notar que o valor varia muito de área para área e de tempo de profissão.

Como piso ético, por exemplo, temos os valores de R$3.685,00 no Paraná, R$3.500,00 na Bahia e R$3.300,00 no Maranhão, por exemplo. Infelizmente a realidade se mostra muito distinta do que é desejado pelos conselhos da OAB, não é difícil encontrar um advogado que ganha pouco mais de 1 salário-mínimo para um carga horária de 40 horas semanais.

 Mas é preciso considerar que temos salários distintos a depender do tempo de OAB, de exercício efetivo da profissão. Profissionais plenos e sêniores possuem uma remuneração bem mais atrativa que os iniciantes.

É preciso considerar ainda que há algumas áreas que oferecem salários bem mais vantajosos, seja pela escassez de profissionais ou pela própria dificuldade de atuação, como é o caso de direito tributário.

Dicas para uma carreira bem sucedida

A atualização constante é sempre a melhor saída para ser um profissional confiável e de sucesso. A legislação brasileira está sempre em evolução, exigindo do advogado uma capacitação na sua área de atuação e interesse.

Ter profissionais capacitados para fazer parceria é algo que pode agregar muito ao trabalho do profissional, pois dificilmente deixará um cliente sem uma solução para um caso concreto. Essa rede de negócios e indicações pode ajudar toda a classe de profissionais envolvidos, ainda mais quando falamos de advogados especialistas, que costumam ser experts em apenas uma ou duas áreas do direito.

Além do mais, ter uma boa relação com os clientes e equipe pode fazer uma diferença no final das contas, bons profissionais são indicados com uma maior frequência, criando uma relação de confiabilidade entre os envolvidos.

O que um advogado não deve fazer

O que poucas pessoas sabem é que os advogados possuem um Código de Ética a ser seguido, o qual exige uma série de comportamentos desses profissionais.

O mais importantes deles é o sigilo profissional, visto que é preciso lidar com situações delicadas e, muitas vezes, ter acesso a dados muito importantes do segurado. Nesse cenário, espera-se que o advogado siga fielmente o que dele se espera, evitando a todo custo infringir condutas éticas.

Caso ocorra problemas relacionados a isso, o advogado pode ser penalizado pelo órgão de classe, a OAB, bem como pode sofrer penalidades processuais, sendo lícito que o cliente o processo na hipótese de se sentir prejudicado por uma ação irresponsável.

Ficou com dúvidas a respeito dessa temática? Deixe seu comentário. 

[mautic type="form" id="7"]

Receba conteúdos e estratégias atualizadas de Marketing Jurídico gratuitamente!

Sobre o autor
Compartilhe
Oi, Dúvidas sobre Marketing Jurídico?
Suporte 3MIND
Olá, como está?
É um prazer falar com você!!
Qual é sua dúvida?